believe in Father Christmas

Querido D.

Tenho andado meio distraída, pensando demais no trabalho, na vida. Não, nem um pouco ocupada, muito pelo contrário: desocupada demais. Aí já viu, sobra tempo pra ficar fazendo aquelas bobagens de balanço-de-fim-de-ano. Afinal, o Natal já está aí: nas ruas, na televisão, nos programas da Globo, nas vitrines das lojas, nas decorações dos shoppings que, mesmo com toda essa “crise financeira”, estão abarrotados de gentes e suas sacolas cheias de presentes e almas vazias de sentido. Você sabe, não gosto de fim de ano, especialmente o Natal. Acho tudo mercadológico demais, absolutamente TRISTE! Mas confesso que esses dias perdi meu ódio pelo tal “Papai Noel”. Deixa eu te contar, depois de gastar um tempinho observando um pobre senhorzinho que devia ter passado o dia inteiro sentado, pagando mico com aquela roupa-ridícula-num-calor-infernal-de-dezembro e tirando fotos com aqueles pirralhos malas, cheguei à conclusão que tenho, sim, muita pena dessas pessoas. Pra muita gente conseguir um “bico” nessa época de “crise mundial” é o melhor presente de Natal que alguns podem querer. 

Deixando o Natal um pouco de lado preciso contar: quase sempre penso em você. Mais à noitezinha quando saio do trabalho caminhando pensativa. Mais naqueles dias que parecem que existe uma placa na testa da gente dizendo: “LOST!”. Ontem mesmo fiquei lembrando da última vez que te vi. O pensamento que penso de você é fotográfico. Acho que daria para decorar uma casa, cheia de boas imagens com esses pensamentos. Esses dias fiquei assistindo aquele filme da sua época de universitário. Gastei um bom tempo tentando te localizar no meio de tantas moçoilas e suas calças bag e vestidos com tecido tafetá. Realmente você mudou um pouco, mas o seu sorriso (ah teu sorriso, lembro) esse é o mesmo que conheci três anos atrás. Bom, depois dessa overdose de nostalgia, de ficar lembrando dessas épocas deliciosamente melosas-piegas-bregas-românticas-banais e de encontrar meu segundo fio de cabelo branco essa manhã tive a sensação de que nossa vida daria um livro, um filme talvez. Não, todas essas lembranças não me doem. Não trazem tristeza alguma. Nada que eu penso de você ameaça. Uma coisa é certa, nunca me lembro de te esquecer. Boas e bobas são as coisas todas que penso quando penso em você.  

Sabe, esse ano não foi dos mais difíceis, mas passou longe de ser perfeito. Parece que foi ontem que estava começando e já está chegando ao fim. Foram 12 meses de perdas: perdi literalmente meu amor pelo trabalho. Perdi muitas vezes a fé nas pessoas e por duas vezes perdi você de vista. Também perdi a conta de quantas vezes perdi a vontade de desistir de você. Talvez perder seja o caminho para ganhar algumas vezes. Querido, hoje pedi que o Papai do Céu (o Noel não, anda muito ocupado com as crianças do shopping) te dê uma vida nova de presente, cheia de sonhos bons escritos nas paredes da sua alma como canções-pop-rock que você adora. Pedi  pra Ele nunca deixar que você se canse de andar, criar, transformar, sonhar e amar. Que daqui pra frente baby, você aprenda, todos os dias, a PERDER…
o medo de ser feliz.

Fico por aqui.
Beijos da sua sempre amiga.

Anúncios

3 Respostas to “believe in Father Christmas”

  1. Silvia Oliveira Says:

    Sabe que eu levei um susto enooooorme quando tentei entrar no antigo blog e ele tinha sido DELETADO! Nem sei se você tinha colocado um aviso lá antes de fazer isso, mas fui pega de surpresa. E doeu. Achei triste. Eu não estava ali todos os dias, mas era uma leitura freqüente. Fiquei felicíssima quando você deixou recadinho lá no Matraqueando com link para cá. Continue… e não se arrependa! Beijos!

  2. Silvia Oliveira Says:

    Priscila, MUITA LUZ… e paz nos nossos corações em 2009. Sempre em frente! Bjs!

  3. Ana F. Says:

    Oi!
    Nossa, eu tinha escrito um texto enorme para vocÊ, mas acabei perdendo porque esqueci de colocar meu e-mail. Bom vou tentar novamente, porém o anterior ficou bem melhor.
    Para começar, cadê a pessoa que escreveu esse texto? Cadê essa pessoa que acredita tanto nas pessoas, mas deixar de acreditar em si mesma? Você precisa acreditar mais em si própria. Nas suas idéias, nas suas ações. Às vezes procuramos respostas. Mas nem sempre nos preocupamos com as peguntas.
    Menina, você precisa acreditar mais em você…
    …eu acredito.

    Bjs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: